A Resenha Musical de hoje é sobre o disco "The Click" da banda (mais um trio e não é intencional, eu juro) AJR. Não ache que estou louca só por postar a terceira resenha em um único mês, mas é que estou tentando homenagear o Rock in Rio de alguma forma, então se você quiser ler a primeira resenha e a segunda resenha é só clicar nos links.
 AJR é uma banda nova iorquina formada por Adam, Jack e Ryan Met, todos irmãos, que emprestaram as primeiras letras de seus nomes para compor o nome oficial da banda. Então o estilo de música que eles produzem é indie pop, electro e DIY indie-pop. Começaram a produzir seu som de forma bastante artesanal e quase sempre utilizando a sala de estar da casa deles para gravar as músicas. A vida deles mudou quando Ryan twittou o link de um vídeo deles para, cerca de, 80 celebridades. Sia notou a banda e os apresentou para as pessoas certas, o que levou banda a se tornar muito mais conhecida.
 Agora vamos ao que realmente interessa, ou seja, vamos falar sobre "The Click".
 "The Click" é um disco que possui 13 músicas das quais a faixa 4, "Sober Up", é um feat com Rivers Cuomo. De modo geral, as letras são crônicas sobre amadurecimento e me arrisco a dizer que são divertidas também. A sonoridade que eles buscaram imprimir no disco deixa as letras muito mais leves do que elas realmente são.
 Sem mais delongas vou anunciar as minhas trilhas favoritas do álbum.

  • "The Good Part": o violino introdutório é algo que não é esperado, mas assim que batida começa você fica preso na sua própria curiosidade para descobrir no que essa música vai dar. Olha, eu digo que não fico desapontada em nada nessa faixa porque, na minha humilde opinião, eles reuniram o melhor do clássico com o eletrônico. A letra é uma obra prima mesmo e fala sobre como desejamos pular logo para parte boa da nossa vida. Isso me lembra aquele filme Click com Adam Sandler, onde ele tem um controle e sempre pula para os melhores momentos da sua vida.
  • "Weak": essa música é perfeita para quem se acha um fracote. Sabe quando a gente se sente fraco e acha que está cometendo erros atrás de erros? Pois é, essa música é para você que se sente dessa forma. A própria banda afirma que a música trata sobre você se entregar as suas tentações, mas sempre se manter firme e forte. Acho que eles conseguem passar isso de uma forma bem gostosa, pois a música gruda bem e tem uma melodia bem interessante com bastante elementos eletrônicos. Outra coisa que gosto muito dessa música é o seu clipe, adoro o visual que ele tem. Você pode curtir o vídeo logo abaixo.

  • "Drama": esta é a quinta faixa do disco. A música trata sobre os problemas superficiais que nós preferimos dar atenção quando existe uma grande quantidade de problemas reais que poderíamos estar nós preocupando de verdade. A melodia é incrível e a letra definitivamente é algo que podemos usar para refletir sobre as nossas próprias vidas. 
  • "Turning Out": com toda certeza essa é a minha trilha favorita. É uma música lenta e creio que seja a única porque todo o disco é bem dançante. A letra é sobre percepção do que é amor/amar e sobre amadurecimento. Uma das coisas que mais gosto do que música diz é sobre como a Disney (não somente a Disney, mas isso foi para dar um nome a um desses elementos) nos influência na forma como moldamos nossa forma de ver e, até mesmo, de idealizar nossas relações ao longo de nossa formação como pessoas.
  • "Netflix Trip": essa faixa é muito interessante porque o tempo todo a sua letra se conecta com acontecimentos da série "The Office". Os irmãos usam essa série para fazer algumas comparações com acontecimentos da vida deles. Aquele momento em que você se identifica com uma série tão forte que vê a sua vida em tudo dela. A melodia da faixa deixa bem claro que eles tem sim a veia indie forte, mas obviamente sem jogar para escanteio todos os outros elementos eletrônicos e outros instrumentos que eles usam. Essa letra tem uma frase muito impactante que sempre sempre me faz pensar em toda a minha vida, que é: "Who am I to tell me who I am?" que é traduzida livremente por mim como "Quem sou eu para dizer a mim mesmo quem eu sou?". Muito forte, né?
  • "Come Hang Out": ela é bem diferente e fala sobre como sempre estamos atarefados demais com todas as coisas que nos obrigam a levar uma vida adulta ou simplesmente tudo o que perdemos quando estamos lutando para viver um sonho. É para parecer com um chamado de um amigo para sair e sempre estar junto em algum momento. Gosto muito de como ela, sutilmente, sempre me traz de volta para realidade. 
 Bom é tudo o que eu tenho para comentar sobre esse disco que você pode fazer o stream completo dele no Spotify clicando bem aqui. Se quiser saber mais sobre a banda é só clicar aqui e você será redirecionado ao site oficial deles onde você pode mergulhar no universo musical desses três irmãos.

 Você já sabe o que fazer para passar o tempo até o próximo post, né? É só ficar de olho no meu Instagram e o Instagram do blog, o Twitter, meu  canal no YouTube e os vídeos de Jay & Mi, e escolha onde ler a fic clicando aqui. Beijocas, amorinha! 🌻

 A segunda resenha do mês vai para LANY. Se você perdeu a primeira resenha do mês é só clicar aqui para ler sobre o disco do Hey Violet. E se você não está entendendo nada sobre essa overdose de RMs é tudo culpa do Rock in Rio e da minha vontade de tentar homenagear o evento. 
 Essa resenha se trata sobre a banda, que é um trio na verdade, LANY, cujo o nome significa apenas uma conexão ponte aérea entre LA (Los Angeles) e NY (New York). O estilo dela pode ser descrito como alternativo, electro pop, dream pop e indie pop. Os integrantes são Paul Klein (vocalista, teclado e violão/guitarra), Jake Goss (baterista e toca Roland SPD-SX) e Les Priest (teclado, segunda voz e guitarra). 
 "LANY" é o primeiro álbum deles depois que assinaram com a gravadora Polydor Records. A realidade é que eles estão no mercado musical desde ano só que deram o início a suas carreiras através de redes sociais e outras mídias que não fossem diretamente o YouTube e com isso despontaram pelo gênero alternativo dentro do universo musical que o Soundcloud proporciona. Eu mesma os conheci no Soundcloud (quem quiser dar um alô para mim lá é só clicar aqui). 
 Já que esse é mais uma RM que estou introduzindo o artista para você aqui embaixo tem uma foto deles e também o link para você acompanhá-los (caso gostem deles).

Les Priest, de preto, Jake Goss no fundo de branco e Paul Klein com a blusa estampada.

Redes Sociais da banda
Instagram | Twitter | Soundcloud | Site Oficial | Canal no YouTube 

 Agora que já os apresentei à você, posso finalmente comentar o que achei desse disco. O CD tem 16 faixas das quais eu só vou destacar as que mais gostei. O motivo disso é que depois de ter ouvido tudo o que eles lançaram, eu realmente prefiro boa parte (quiçá todas) das músicas dos EPs lançados entre 2015 e 2016, o "I Loved You.", "Make Out" e "kinda", respectivamente. 
 Enfim, acredito ter escrito o suficiente e aqui está o meu parecer sobre as faixas que mais me identifiquei.

  • "Dumb Stuff": é uma música que é super rápida, mas nem por isso é menos boa. Acho a letra fofa e a melodia dela dá o tom das próximas canções do disco. 
  • "The Breakup": é gostosa de ouvir. Fala sobre relacionamentos, mais precisamente sobre o termino desses relacionamentos. Paul Klein faz uma reflexão sobre como ele se sentiu aliviado ao terminar de escrever essa música, pois ele realmente colocou seus sentimentos para fora, como em um desabafo.
  • "Super Far": algo na letra dela me lembra relacionamentos à distância ou sobre como um relacionamento real chegou ao ponto de se parecer com um relacionamento à distância. Uma das coisas que mais gosto é a batida e os vocais de fundo. No final do mês passado eles lançaram um vídeo sobre essa música, não é o clipe, mas é bem legal o visual sobre a vida e show deles na turnê atual. Assistam aqui embaixo.

  • "Flowers On The Floor": gosto muito do pré-refrão e a letra é sobre esse relacionamento tóxico onde mais uma vez a garota despreza todos os esforços do cara para tentar continuar juntos. A melodia me cansa um pouco, no sentido de que me enjoa rápido, mas é legal de ouvir.
  • "Parents": sem dúvidas uma das coisas mais fofas que tem nesse disco. Não é uma música, mas sim uma mensagem de voz da mãe, Susan Goss, de Jake Goss sobre uma tattoo que o seu filho fez em homenagem aos pais. O desenho é mostrado na foto abaixo. O que mais gosto dessa foto e faixa é a veracidade do sentimento entre eles, o amor que eles sentem um pelo outro é quase palpável e é muito genuíno. 
  • "ILYSB": é o grande hit deles, quer dizer, todo mundo que conhece LANY, os conhece por conta dessa música. A letra é bem simples mas tem grande sentimento e você percebe desde algumas faixas anteriores que eles não são muito de amor fofo não. Eles preferem retratar (nessa e em outras músicas) a dor de amar alguém, mas nunca com aquela coisa de "dói amar e eu não quero isso nunca", é mais voltado para "dói amar mas vale apena aguentar essa dor". Eu colocaria o clipe oficial aqui, mas acho ele muito assustador (só porque eles quiseram fugir do cliché que a letra induziria o vídeo a ser) e também prefiro o vídeo da música dessa perfomance deles. 

  • "13": a batida é boa mas eu, até agora porque sempre pode-se mudar de ideia sobre algo, acho que tem uma vibe de dor de cotovelo. O título da música faz alusão ao dia que eles escreveram e gravaram a canção. 
  • "Hurts": creio que seja uma das melhores letras desse disco. Adoro o refrão. A mensagem que a música traz sobre todo esse ciclo de "amor e desamor" que as pessoas passam é o que mais reflete o real significado de: "The more you love, the more it hurts" (quanto mais você ama, mais isso dói). 
  • "Good Girls": a música tem uma vibe de balada. A letra é bem coração partido, mas adoro como tudo casa. O clipe dessa música tem uma conexão com o clipe da música "ILYSB" mas é bem no finalzinho que a gente descobre isso. Sem contar que eu fiquei extremamente cansada só de ver o Paul Klein passar o clipe todo andando atrás da menina que ele gosta. Dá uma olhada no vídeo abaixo e vê se eu não estou certa.
  • "Purple Teeth": a única coisa que eu gosto dessa música é o refrão sempre escuto esperando o refrão chegar porque, na minha opinião, é a melhor coisa que aconteceu para essa faixa. A letra é sobre a inconsistência de um relacionamento e sobre o quão instável essa linha que liga duas pessoas é.
  • "So, Soo Pretty": é um instrumental lindo e que te surpreende porque aparece praticamente no fim do álbum.
  • "It Was Love": essa música é uma reflexão e lembrança sobre os relacionamentos amorosos que vivemos na adolescência. 
 Espero que você tenha curtido LANY tanto quanto eu curti falar sobre eles. Se você quiser continuar ouvindo a banda é só clicar aqui para fazer o stream do álbum no Spotify.
 Por essa sexta é só isso que temos para conversar, mas você pode me perturbar por mais posts e/ou acompanhar a minha vida fuxicando: o meu Instagram e o Instagram do blog, o Twitter, meu  canal no YouTube e os vídeos de Jay & Mi, e escolha onde ler a fic clicando aqui. Beijocas! 🌻


 Olá amigos, eu estou aqui com mais uma Resenha Musical. Já que até o presente momento eu não vou ao Rock in Rio desse ano, o blog, de uma forma ou de outra, vai fazer uma singela homenagem ao evento com a dedicação das postagens do mês de Setembro somente para Resenhas Musicais. Essa sexta vamos falar sobre Hey Violet. 
  Não sei se você lembra, mas eu já fiz uma RM sobre essa mesma banda só que na época eles ainda não tinham gravado o disco em questão. Quem quiser refrescar a memória sobre quem eles são e até mesmo ler a primeira resenha é só clicar aqui
  Esse disco tem duas versões que é essa da capa postada aí do lado, que contém 12 músicas, e a versão da Target que tem três músicas adicionais. Vou logo avisando que a resenha é no disco normal e não versão da Target. 
 Eles colocaram na tracklist do disco canções deles que já haviam sido lançadas no "Brand New Moves - EP", mesmo assim a maioria das músicas são novas para os fãs da banda.
 O fato deles terem usado essas músicas não deixou o disco acomodado em uma só sonoridade, pois cada faixa traz uma vibe totalmente diferente e a banda soube trabalhar bem as sua influências ao longo de todas as músicas deles, cada música é facilmente uma música própria, sem cara de ser algo repetido.
 Então vamos lá ver o que eu tenho a dizer sobre as faixas desse disco, sempre levando em consideração que eu não estou citando as que eles já lançaram porque essas já tem uma resenha própria exclusiva para essas músicas. 
  • "Break My Heart": o que eu mais gosto dessa música é de como ela é gostosa de ouvir. Mesmo que essa música seja meio "manjada" por falar de coração partido, eles deram um jeito de criar algo novo, pois a música não lamenta um coração partido, e sim clama pela experiência de ter o coração partido. Essa música foi o primeiro single do disco e o clipe dela é bem high school. Confira abaixo.

  • "Hoodie": sabe aquele coisa de filme que mocinha em algum momento acaba usando uma vez um casaco do seu par romântico e ele simplesmente nunca mais vê a peça de roupa de novo porque a menina nunca devolve e aí eles terminam e sempre tem uma cena dela chorando agarrada ao casaco do menino. Então, deixa eu te contar que Hey Violet tem uma música exatamente sobre isso. "Hoodie" é a música da situação que descrevi acima e devo confessar que a primeira vez que a ouvi achei meio chata, mas conforme eu fui ouvindo o álbum mais vezes a sonoridade dela cresceu e eu passei a gostar dela. A letra também é bem simples e  o refrão gruda fácil. Como não quero cantar sozinha pode apertar o play e assistir o lyric video da música.



  • "My Consequence": adoro como a música começa. Outra coisa que eu gosto é como de alguma forma essa música traz uma luz sobre os relacionamentos. É sobre como cada relacionamento ter a suas consequências e quando nós embarcamos em um devemos estar prontos para encarar essas consequências. 
  • "O.D.D.": o que me atrai nessa música é o conjunto todo dela. A melodia que tem uma vibe antiga mas ao mesmo tempo traz elementos atuais, a letra é forte e a vocalista canta com paixão. Algumas pessoas dizem que essa música é sobre a vocalista se revelando ter Transtorno Desafiador de Oposição, em inglês Oppositional Defiant Disorder (olha o O.D.D. aí), que é  um"transtorno infantil caracterizado por comportamento desafiador e desobediente a figuras de autoridade" (só clicar aqui para saber de onde veio essa definição). Eu, Anmi, não creio que seja isso, eu vejo essa música mais voltado para a palavra odd, que segundo o dicionário Oxford, é um adjetivo que significa estranho (se duvidar é só clicar aqui para ver que não tem é isso mesmo). A letra me remete mais a essa ideia de ser uma pessoa estranha e que não se encaixa bem nos padrões. Escutem a música e comentem o que vocês acham.
  • "All We Ever Wanted": é bem música de balada e para dançar mesmo. Pode colocar essa na sua playlist de música para dançar. Sinceramente, foi um susto quando ela começou porque não segue na mesma linha das demais músicas. Elas são muito diferentes entre si e isso só prova que eles tem um futuro cheio de possibilidades. 
  • "Unholy": a batida do início do refrão é boa e é o que me prende nessa música. A letra é sobre um relacionamento que não deveria estar acontecendo pois a menina tem um namorado. O título remete a noção biblícia sobre a situação toda (um relacionamento não sagrado, ou seja, unholy).
  • "Where Have You Been (All My Night)": mais uma música que lembra algo de balada, de repente não tão dançante como "All We Ever Wanted", mas ela tem o seu valor. O título automáticamente me faz pensar em Rihanna com "Where Have You Been", não tenho a menor ideia se essa era a intenção da banda, mas os títulos estão muito parecidos. 
  • "Like Lovers Do": não sou fã dessa música porque ela tem uma vibe de casa de boneca, mas não de um jeito muito bom para mim. Ela me faz lembrar de episódios de Pretty Little Liars (eu amo PLL, mas não vou esconder que tinha episódio que as bonecas me davam uns arrepios) e filmes de terror. A voz de Rena está me lembrando muito Lana Del Rey e Melanie Martinez. Essa foi a segunda vez que eu tomei susto com o disco porque algo desse tipo não é o que eu esperava da banda, mesmo percebendo que, individualmente, esse tipo de referência está presente em Nia Lovelis e Rena Lovelis, apenas não esperava que fosse parar na banda.
  • "This Is Me Breaking Up With You": essa música parece retirada de um filme bem antigo, é super rock e lembra o início da banda antes da migração para um som mais pop. Tem uma coisa nela que me lembra "Blitzkrieg Bop" do Ramones. 
 Resenha Musical cumprida com sucesso. Gostaram? Quem se interessou pelo álbum é só clicar bem aqui para dar uma ouvida nele no Spotify. Até o próximo post vocês podem checar: o meu Instagram e o Instagram do blog, o Twitter, meu  canal no YouTube e os vídeos de Jay & Mi, e escolha onde ler a fic clicando aqui. Beijocas, chuchus. 🌻

 O último post do Especial Bienal do Livro é uma grande ajuda para você passar pela experiência da Bienal da melhor maneira possível. Nada mais justo e melhor do que alguém que vai em Bienais desde os 3 anos de idade para dar umas dicas, não é? 
 Antes d'eu dar as diquinhas em si, deixa eu situar você que pode ter caído de paraquedas nesse post. Como a Bienal do Livro começa dia 31 desse mês, o blog está fazendo um Especial Bienal do Livro, onde todos os posts desse mês são voltados para o evento e o universo dos livros. Caso tenha perdido algum post, você pode conferir a: Parte 1, Parte 2 e Parte 3
 Então como eu ia falando, resolvi dar umas dicas de como ir à Bienal sem neura nenhuma. Já que tenho alguma, leia-se muita, experiência, por que não compartilhar?
 Sem mais delongas, vamos lá, pegue papel e caneta ou abra o bloco de notas de um dispositivo eletrônico e anote as dicas. 

  • Tenha uma lista de livros - Procure anotar os dados principais dos livros que você quer comprar. É super essencial saber pelo menos o nome do livro, o autor e a editora. Eu, pessoalmente, vou um pouco além disso, ponho ordem de prioridade caso tenha que completar alguma coleção, ordem alfabética de autores, e etc. Não se preocupe, pois eu já ensinei a fazer uma lista dessas na Parte 2 do Especial Bienal do Livro, então é só você clicar aqui para ler sobre como montar uma lista dessas. Os meus amigos mais próximos sabem que eu sou uma pessoa que é super devoradora de livros, por isso sempre tenho um Everest de livros para ler ou que quero ler então vivo com listinhas dessas prontas.
  • Pesquise os preços do livros - Sua lista não foi feita para nada. Então pegue-a e faça uma consulta de preços pelos sites que você está acostumado a comprar e/ou use um site de busca e comparação de preços para descobrir o máximo e o mínimo que estão cobrando por um livro de sua lista. Isso ajuda muito no próximo item.
  • Junte grana - Se você é mais descontrolado quando o assunto é dinheiro, é uma boa ideia juntar. Afinal de contas, nem sempre alguém tem como bancar todas as comprinhas por lá. É claro que uma parte do money para as minhas compras vem da conta bancária da minha mamãe, mas isso não significa que eu não junte dinheiro, ou pelo menos tente juntar. Os livros lá não são muito baratos não, quer dizer, não tem tanta diferença de preço. Às vezes tem, mas isso é algo que depende muito do livro que você quer. E também existem descontos progressivos (um livro 5%, dois livros 10% e assim por diante), ou descontos para quem compra com cartão e/ou a vista. Mesmo assim é bom ir preparado. Tá, eu sei que dei essa dica meio encima da hora, então pode ir pedir grana para todos os seus parentes como presente de alguma data comemorativa. 
  • Informe-se - Procure estar por dentro da Bienal. Saber datas, horários, localizações e preços é super importante. Eu sempre entro no site da Bienal desde janeiro quando é ano do evento aqui no Rio. Sou exagerada, mas saber quanto custa os ingressos, como faz pra chegar ao local e que horas abre e fecha é, literalmente, o mínimo. Quanto mais informações melhor, assim você tem mais oportunidade de escolher qual dia ir ao evento e descobrir como encontrar seu autor favorito. Por isso eu já abri o especial do mês com um post cheio de informações sobre o evento, é só clicar aqui para ler tudo. 
  • Programe-se - Esse é o único dia do ano que me rendo a monótona rotina. Eu programo tudo, desde a hora para dormir até o que vou comer. Criar uma programação ou algum tipo de rotina ajuda a criar uma disciplina durante o evento, o que te possibilita aproveitar o máximo de tudo. Só tente não ser tão tão tão rigoroso, apenas pense em um modo de se organizar para curtir o dia lá. 😉
  • Estoque paciência - É um evento muito muito grande com um monte de coisas incríveis para ver e fazer, por isso atrai multidões. Ter paciência é o segredo do sucesso. Se você se irrita com filas e demora, nem pense em ir. Sim, as editoras/lojas/marcas mais famosas lotam seus estandes, nada mais óbvio que uma fila básica para entrar ou pagar algo. Então, seja paciente porque vai precisar. E como vai precisar da queridinha paciência.
  • Faça um intensivo de musculação - Você vai chegar lá de mãos abanando, mas vai sair cheio de sacolas. Livro não é leve não, meus amigos. Malhar os braços é lá mesmo, as pernas também, pois o evento acontece no Riocentro e lá é gigante, logo você com certeza vai andar muito atrás de seus itens de desejados. 
  • Vença uma prova de resistência do BBB - É super difícil você esquecer que está com fome, sede, frio/calor ou dor. As provas de resistência do BBB são perfeitas para trabalhar esse lado, já que você passará um bom tempo em filas e escolhendo livros e vendo coisas. Quanto mais tempo você conseguir superar isso mais livros você vai ter, olha como isso é o lado positivo da situação.
  • Seja prático - Leve somente, SOMENTE, o que você vai precisar. Ou seja, prepare bolsa ou mochila com a sua carteira de  identidade, o dinheiro para as compras, identificação estudantil para quem for estudante e comprou ingresso de meia entrada e um dos itens mais importantes dessa listinha, que é o ingresso. Ah, vale também lembrar que você pode e deve levar ecobags e sacolas mais resistentes para carregar os livros que foram comprados e não se espante se você cruzar com alguém carregando uma mala ou um carrinho de feira, é comum pessoas levarem para carregar tudo o que compram.
  • Divirta-se - Essa é uma das dicas mais importantes. Chame seus amigos, familiares ou vá disposto a conhecer novas pessoas. A Bienal do Livro reúne tudo de melhor que o universo da leitura pode proporcionar e uma das melhores coisas são as pessoas que você conhece e encontra durante a sua passagem pelo evento. É cheio de gente que compartilha dos meus interesses que você e com certeza você voltará com pelo menos uma história boa para contar do seu dia lá.

 Aaaahhhh... Não quero me despedir desse Especial que fiz. Espero que vocês tirem proveito de todas as dicas que dei. Sério, eu tenho experiência, então me escutem. Algumas dicas envolviam fazer listas e tal, então não se preocupem pois eu já fiz isso tudo por vocês e estou disponibilizando uma pasta com todas as listas que ensinei ou comentei ao longo do especial, incluindo de bônus uma checklist com itens indispensáveis para se ter na bolsa/mochila que você for levar no dia. Eu sei, eu sei, sou um anjo. 


 Mais uma vez eu quero reforçar que espero do fundinho do meu coração que você tenha curtido esse Especial Bienal do Livro organizado por mim com o maior carinho e entusiasmo do mundo. Até o mês que vem e o próximo post. Você pode me acompanhar pelas redes sociais, seguindo o meu Instagram e o Instagram do blog, o Twitter, meu  canal no YouTube e os vídeos de Jay & Mi, e escolha onde ler a fic clicando aqui. Beijocas, amorinha. 🌻

 Como você já sabe esse mês é somente sobre livros, então decidi que nada mais justo seria eu dividir com vocês sobre como eu catalogo/organizo os meus livros. Antes de comentar sobre como faço isso, caso tenha perdido algum post do Especial Bienal do Livro, você pode conferir as Parte 1 e Parte 2 ao clicar por seus nomes. 
 No momento, não tenho muito espaço para tê-los enfileirados, lado a lado, em uma estante linda que recobre toda uma parede e... Acho que comecei a sonhar acordada no meio do post. Mea culpa!
 Voltando ao que interessa de verdade. O modo como eu organizo os meus bebês é bem simples e informatizado. Você pode me dizer: "Eu não preciso disso, já tenho tudo organizado no Skoob", mas o Skoob é uma rede social antes de ser um modo de catalogar/organizar os livros. Outro motivo para usar esse método que vou disponibilizar é que você poderá organizar melhor os seus livros e terá essa catalogação offline e será algo pessoal. Por falar em Skoob, podem me achar lá se clicar aqui.
 Agora vamos ao ponto principal, como é que o tal método de organização?
 Eu criei uma tabela interativa no Excel com os aspectos relevantes para a catalogação de um livro somados com umas ideias para dar um toque mais pessoal ao arquivo. As categorias são: título, autor, editora, coleção/série/saga, gênero, língua, status, situação, nota e comentários.
 Explicando o que cada categoria significa:

  • Título - é o nome do livro;
  • Autor(es) - nome de quem escreveu o livro;
  • Editora - nome da editora que publicou o título;
  • Coleção/Saga/Série - livros que tem algum tipo de continuidade podem ser identificados e agrupados por conta de suas categoria;
  • Gênero - identifica qual é o gênero que aquele livro pertence, ex.: romance, comédia, etc.;
  • Língua - é para caso você tenha algum livro que não seja em português, você poder anotar em que língua aquele título está;
  • Status - é o que classificará se o livro foi lido ou não;
  • Situação - é o campo que determinará o se livro foi emprestado ou está com você;
  • Nota - em uma escala de zero a dez, você poderá classificar o livro, caso já tenha sido lido.

Olha uma foto de como fica a minha planilha organizada com os meus títulos.


 Mais uma vez eu serei muito muito legal e vou partilhar com vocês essa planilha bem explicadinha sobre como organizar os livros. Ah, quem perdeu o post da semana passada sobre a minha wishlist de livros para esse evento maravilhoso que é a Bienal do livro, é só clicar aqui para ler e não se preocupe, porque tem um modelo de wishlist na mesma pasta da planilha. Obrigada, de nada!!! 😉


 Então é isso. Ficamos por aqui, mas fique de olho no blog para o post final do Especial Bienal do Livro que está sendo feito durante todo o mês de Agosto. Enquanto você espera pelo novo post, que tal dar uma olhada no meu Instagram e o Instagram do blog, o Twitter, meu  canal no YouTube e os vídeos de Jay & Mi, e escolha onde ler a fic clicando aqui. Beijocas, amora. 🌻

 Olha eu aqui mais uma vez!!! Quem está desavisado sobre, o mês de agosto todo será de posts do Literaturando em homenagem a 18ª Bienal Internacional do Livro Rio e essa é a parte dois. Caso tenha perdido o primeiro post do Especial Bienal do Livro, você pode conferir ele clicando em Parte 1.
 Dessa vez, trouxe uma das coisas que eu sempre faço durante a época da Bienal, ou seja vou dividir com vocês a minha wishlist de livros. 
 Quem me conhece pessoalmente sabe que tenho a fama de fazer booklists gigantes, mas especialmente devido a essa crise, a lista foi compactada para apenas uns 31 livros. Dentre os quais espero conseguir comprar 10 na Bienal. MAS isso é negociável porque na última edição, adquiri 30 livros e levei a falência a minha mãe.  Em geral o meu objetivo desse ano é não gastar tanto lá.
 As fotos daí de baixo são só para vocês verem. Tem apenas uns 3 ou 4 que eu sei que não vou achar lá porque são livros que estão em inglês e bom eu nunca achei nenhum livro em inglês para comprar por lá. Se alguém souber, por favor, comente que eu dou uma passada por lá.





 Isso é só para vocês terem uma noção de quantos títulos novos eu estou querendo adicionar a minha coleção. Para vocês sentirem mais profundamente o meu dilema, vou por em tópicos alguns dados da minha wishlist. 
  • Editoras: são 18 editoras diferentes. Esse ano as editoras que tiveram livros que mais me chamaram atenção foram a Galera Record (com 5 livros na lista), Paralela (com 4 livros), Intrinseca (com 3 livros), seguida por Globo Alt e Rocco (ambas com 2 livros na lista), todas as demais conseguiram emplacar apenas um livro para a lista.
  • Autores: são muitos autores diferentes, mas dessa vez estão se destacando Anna Todd (com 2 livros) e Adam J. Kurtz (com 2 livros), Rachel Corn e David Levithan (com 2 livros) e a linda da Rupi Kaur é quem tem mais livros na lista (com 3 livros).
  • Coleções/Sagas/Séries: ultimamente o meu foco é não me embrenhar por livros desse tipo de categoria porque eu sempre sofro com a quantidade de livros que tem para comprar e com a espera para lançarem os próximos livros. Como eu estou fugindo disso, só quero comprar os dois últimos livros de Série After da Anna Todd e descibri que um dos outros livros na lista é de uma Série que ainda não tem nome definido. 
 Acredito que você tenha ficado curioso sobre como eu faço essa minha wishlist de livros para a Bienal. Eu faço uma tabela no Word com os campos que eu desejo saber sobre os livros e vou preenchendo. Para facilitar você (olha como eu estou sendo uma flor de pessoa), eu montei uma tabela no estilo das que uso e estou disponibilizando para vocês fazerem o download.


 Espero que não tenha assustado vocês com a quantidade de livros que eu desejo. Enquanto vocês aguardam pelo próximo post, curtam os links para: o meu Instagram e o Instagram do blog, o Twitter, meu  canal no YouTube e os vídeos de Jay & Mi, e escolha onde ler a fic clicando aqui. Beijocas, amores. 🌻