Todo fim de ano as pessoas gostam de fazer balanços e observar como o ano, que já está quase indo embora, foi. Eu, Anmi, diria que é melhor não fazer isso com 2016, já que muitas coisas ruins aconteceram. Os bons momentos que me perdoem, porém 2016 foi um ano desastroso. Literalmente.

   Como disse antes tem gente que gosta de analisar o que fez no ano que termina e se planeja para o próximo ano que está chegando. Tem gente que faz até promessa. Eu não tenho tempo para promessas que não vou cumprir. E vocês também não deviam ter. Uns até gostam de simpatias para atrair coisas boas para a sua vida no novo ano, mas não eu.

   Se tem algo que a cada virada de ano eu aprendo é que tudo o que acontece no ano que se inicia tem muito a ver com o seu posicionamento em relação a sua nova oportunidade de viver. Porque cada ano é uma nova chance de se aprimorar e mudar, de ser diferente e aprender alguma coisa nova. Tudo é uma questão de estar aberto, de se permitir, de dar espaço ao inesperado. 

   É claro que em 2016 muitas lições já foram ensinadas e possivelmente todos aprendemos algo, mas para que esse processo de evolução (para melhor) continue ocorrendo temos que manter a mente pronta para tudo o que vier em 2017. 

   Particularmente, eu tracei metas para 2016 e não tenho vergonha de dizer que fracassei em muitas delas, mas não por falta de chances para realizá-las e sim por falta de vontade de por elas em prática. Ou seja, só não fiz porque não quis. 

  Como nada nessa vida é simples, é claro que existiram vários ups & downs nesse ano que está partindo e muitas dessas subidas e descidas virão em 2017, contudo cabe a cada um de nós nos mantermos firmes para os próximos desafios. 

  Sem mais delongas, eu gostaria de desejar a cada um de vocês (incluindo a mim mesma) um 2017 maravilhoso, repleto de coisas boas e de lições de vida importantes. Que cada um de vocês possa aprender algo novo e ensinar aos demais algo novo também. Que façamos a diferença na vida das pessoas próximas a nós e que saibamos estar com quem nos ama de verdade. Que os nossos sonhos se tornem cada vez mais reais. Que através de nós o mundo possa receber mais amor e paz e menos guerra e confusão. 

   Isso é tudo que por essa sexta. Até ano que vem. (EU JURO QUE NÃO QUERIA FAZER ISSO, MAS O ESPIRÍTO DAS PIADAS DE TIO TOMOU CONTA DOS MEUS DEDOS NESSE MOMENTO.) Ah, e até lá fique com esses links  (InstagramTwitter,  meu  canal no YouTube e os vídeos de Jay & Mi, e a fic no Wattpad ou no Tumblr) para esperar o primeiro post de 2017.


Feliz Ano Novo! Que todos os seus sonhos do último ano se tornem realidade durante esse novo ano.

Nada mais lindo que Hogwarts em clima de Natal, né?

Sinceranmi hoje veio desejar um final de semana natalino maravilhoso para todos vocês! 

Que nesses dias que estão vindo vocês possam estar cercados por pessoas que amam e ter momentos maravilhosos com elas.

Ah e não me custa nada desejar presentes incríveis também. Espero que Papai Noel capriche esse ano.

É isso, chuchus. Esse ainda não é o meu último post do ano mas ele tá para chegar e enquanto vocês esperam por ele que tal dar uma conferida nesses links: InstagramTwitter,  meu  canal no YouTube e os vídeos de Jay & Mi, e ler a fic no Wattpad ou no Tumblr. Todos eles te levam a uma forma nova de entretenimento que eu produzo. Divirtam-se, beijocas e mais uma vez FELIZ NATAL!!! x

O post de hoje, antes do famoso Natal, é para apresentar a todos vocês o mais novo canal do YouTube.

Eu e minha prima Jady criamos esse canal porque acreditamos que somos divertidas e que vocês podem rir bastante com as nossas aventuras.

Já temos três vídeos no canal e o mais recente eu estou deixando aqui em baixo.



Mais uma vez, se você não conhecia o nosso canal sintam-se livres para assistir ao vídeos e curtirem o conteúdo de lá. Inscrevam-se, compartilhem e curtam.

   Por essa sexta é só isso, mas até o próximo post você pode me seguir no InstagramTwitter,  meu  canal noYouTube e os vídeos de Jay & Mi, e ler a fic no Wattpad ou no Tumblr. Beijocas chuchus!!! x

   Eu sempre apareço com mil projetinhos. O de hoje é o meu novo vlog.

   Agora vou fazer, uma vez por semana, vlogs em inglês para o meu canal no Youtube. Eu quero fazer essa série porque tenho amigos que não são brasileiros por conta disso não entendem nada do que eu digo nos meus vlogs normais. Além disso, faz um tempinho que terminei o curso de inglês e essa seria um dos modos que eu encontrei para praticar o inglês e continuar, de alguma forma, ainda com ele fluente.

   Sem mais delongas aí em baixo você pode conferir o meu primeiro vlog em inglês.



   Mais uma vez, se você não conhecia o canal sintam-se livres para assistir ao vídeos e curtirem o conteúdo de lá. Inscrevam-se, compartilhem e curtam.

   Por essa sexta é só isso, mas até o próximo post você pode me seguir no InstagramTwitterYouTube e ler a fic no Wattpad ou no Tumblr. Beijocas chuchus!!! x

   Last.fm é um site que tem como conceito principal a ideia de um rádio online. Se ele tivesse que ter uma nacionalidade, seria a do Reino Unido e seu ano de nascimento é 2002.

   Estou utilizando esse site desde 2012 e ele é maravilhoso! Particularmente o que me atrai é o serviço de scrobble de música que eles fazem. Antes de conhecer eles, eu vivia me perguntando quem era o artista que eu mais ouvia, qual era música que eu mais ouvia, mas depois de conhecer eles todas essas dúvidas sumiram.

   Os principais recursos do Last.fm são:

  1. Scrobbling: que é quando o Last.fm informa qual música você está ouvindo, quantas vezes você já ouviu aquela música e ao artista. "O scrobbling nos ajuda a saber quais músicas você ouve com mais frequência, de quais músicas você gosta mais, quantas vezes você ouviu um artista em um período específico de tempo, quais de seus amigos têm gostos musicais parecidos." Atualmente, é possível fazer o scrobble por apps e plugins oficiais e ele capita as informações de vários reprodutores de música, como o Spotify, YouTube, iTunes, Play Música, dentre outros players.
  2. Recomendações: o site fornece recomendações de artistas e músicas novas baseadas no que você ouve e também levando em conta o gosto musical similar de outros usuários. "A página faz uma lista das músicas que foram diretamente recomendadas ao usuários e grupos dos quais ele faz parte, blogs, e outros usuários que têm ouvido músicas parecidas recentemente. Há também uma rádio feita com músicas recomendadas que tocam músicas especialmente filtradas baseadas no que o usuário ouviu durante a semana. Os perfis dos usuários tem um Taste-o-meter que fornece um ranking da sua compatibilidade musical com a de outros usuários."
  3. Tags: através das tags você descobre mais artistas do mesmo gênero, pode navegar em locais voltados para o tema escolhido, além disso as tags ajudam a organizar e facilitam a vida dos visitantes. É um recurso que existe de 2005, ou seja, é bem antigo nos conceitos do site.
  4. Eventos: é algo que vem desde 2006 e procura os shows/eventos/apresentações dos artistas que você ouve localizados próximos ao usuário.
   Para se beneficiar dos recursos do web site tem que fazer cadastro, com perfis gratuitos e pagos (os pagos só não tem anúncios, podem saber quem visitou o perfil e viram testadores de versões beta do site e aplicativo). 

   No próprio site tem indicações para todas as outras formas de utilizar o serviço. Aplicativos (para iOS e Android) e plugins (para os mais diversos sistemas operacionais) podem ser facilmente encontrados. Aqui em baixo vocês podem conferir como é a aparência do aplicativo para Android e do plugin para computador, respectivamente.

Essa é uma das áreas do aplicativo. Aqui
você visualiza as músicas mais tocadas.
Essa é uma foto do plugin Last.fm para Windows
no computador.

   Para terminar com chave de ouro, aqui segue o link do Last.fm para quem quiser conhecer mais sobre todo o site e se você clicar aqui ou aqui pode ter acesso ao link de download do aplicativo para Android e iOS, respectivamente.

   Por essa sexta é só isso, mas até o próximo post você pode me seguir no InstagramTwitterYouTube e ler a fic no Wattpad ou no Tumblr. Beijocas chuchus!!! x

 No post de hoje venho enaltecer o trabalho musical dessa banda maravilhosa: BΔSTILLE (Bastille)Eu até mesmo arriscaria dizer que é uma das minhas bandas favoritas e quem me conhece sabe que eu não tenho muitas coisas como favoritas. 

   Wild World é o disco mais recente da banda. Ele contém 19 músicas e todas autorais. De acordo com o iTunes, é música alternativa e sou obrigada a concordar porque é alternativo mesmo. 
   Antes da resenha em si, gostaria de ressaltar que a minha paixão por BΔSTILLE surgiu quando eu esbarrei no videoclipe da primeira música deles que escutei em 2013. Flaws me surpreendeu e me cativou de uma maneira que não pude deixar a banda de lado. O que me faz amar BΔSTILLE são as suas letras. Toda música deles me faz refletir em tudo que tenho, no que sinto e até mesmo na vida como um todo. 
   Agora que já contei sobre como me apaixonei pela banda posso dividir o que penso sobre cada faixa do álbum.
   Assim como tudo o que os artistas fazem é superimportante entender as referências e (quase) toda letra de música dessa banda, em especial, tem alguma referência e é incrível que eles têm um jeito de fazer isso naturalmente. Como disse antes, todas as músicas são autorais e nesse álbum as ideias de Dan Smith, um dos membros da banda, estavam afiadas.
   O disco anterior, lançado em 2013, intitulado Bad Blood tinha uma vibe mais dark e pesada. Tinha algo que sempre ficava no fundo da nossa mente, pelo menos para mim. É repleto de músicas marcantes e é bem difícil ter que dizer qual é minha música favorita desse disco. Já no Wild World não é tão diferente, ainda não posso escolher minha música favorita, mas o disco tem uma levada totalmente diferente. Não diria que é mais feliz que o anterior, porém tem músicas mais agitadas e, de certo modo, animadas que às vezes podem encobrir letras profundas. Mas é o que dizem: para bom entendedor, meia palavra basta.
   Então vamos as músicas que eu destaco desse álbum. Lembrando que eu tenho muita dificuldade de escolher músicas dessa banda.

  • An Act of Kindness: é bem reflexiva e fala sobre atos de bondade. Ela começa bem misteriosa e depois ganha mais ritmo no refrão. A letra reflete muito sobre esses atos de bondade que acontecem, em como eles são raros, como essas ações marcam a vida de uma pessoa. A letra é tão profunda que inclusive mostra como a pessoa que presenciou/vivenciou tal ato se sentiu durante o momento. 
  • Snakes: uma das melhores músicas desse disco. Ela traz uma situação bem comum entre nós meros mortais. Na letra há a famosa dicotomia entre nossas preocupações/responsabilidades e a nossa vontade de resolver tudo (vontade que ás vezes chega ser menos zero). Outra coisa que amo é a forma com que é personificado tudo o que nos preocupa usando as cobras (snakes, né?), não acredito que lá na Europa exista a famosa frase "se fosse uma cobra te mordia" para se referir a algo que está tão próximo de nós que não percebemos, exatamente assim que essa música trata os problemas, como algo tão perto que pode nos machucar. A melhor parte da letra é o refrão (essa parte fez com que eu me sentisse mais humana ainda e muito feliz por ter gente que também sente como eu quando tem que encarar algo na vida).
  • Way Beyond: traz a luz a questão do uso excessivo de tecnologia e da cultura blasé que as cidades trazem consigo. A sua melodia é super para cima, mas a sua letra dá recados importantes como por exemplo refrão quando diz: "it only matters if we care now, if you're way beyond that, then I'm gonna dust you off of my shoulders" (Isso só importa se nós nos importamos agora, se você está muito além disso, então eu não vou mais me importar com você). Uma das músicas que mais me viciou desse disco.
  • The Currents: na minha humilde opinião é uma das músicas mais atuais que alguém poderia escrever, porque fala exatamente sobre os vários episódios que a cultura do ódio tem produzido, sobre como existem pessoas que não estão dispostas a ouvir as outras e a entender o ponto de vista delas sobre um determinado assunto, sobre como tem falta de empatia. Só que não é tão direto assim, a música usa o discurso de ódio que muitas pessoas têm feito sobre os mais variados assuntos para ilustrar como a visão deles afeta as outras pessoas. 
  • Warmth: essa é a música da sorte do álbum, porque é dela que vem o nome do disco. Warmth é sobre o sentimento de segurança que a cidade nos tira, sobre nunca nos sentirmos acolhidos. A ideia de que o mundo é selvagem é exatamente perfeita porque no fim das contas é isso aí mesmo, o mundo é selvagem, frio e perigoso. Essa música expressa o que um abraço pode passar, o que a segurança que estar nos braços de alguém que você considera importante pode nos trazer.
  • Lethargy: em bom português a música se chama letargia, que pode ser dita, segundo esse link, como "desânimo; ausência de ânimo; excesso de preguiça". Essa é uma música com melodia super good vibes mas como sempre a letra toca num ponto que não paramos para pensar bem: o ânimo para realizar atividades. Eu posso afirmar que tenho sérios problemas de ânimo (quase sempre é falta dele mesmo) para cumprir as tarefas no decorrer do dia. Essa música toca nesse ponto e é ela dá a sensação de que é tudo muito corrido, rápido e sobre como sempre queremos não nos preocupar com tudo em todas as horas.

'Cause it's easier to bury   (Pois é mais fácil enterrar)
My head in the sand sometimes   (Minha cabeça na areia, às vezes) 
 Yes, it's easier to bury   (Sim, é mais fácil enterrar)
My head in the sand sometimes   (Minha cabeça na areia, às vezes)
And I know, I know, I know   (E eu sei, eu sei, eu sei)
It's not the right way to go   (Que não é o caminho certo a seguir)
But I pray for the ground to swallow me whole   (Mas eu rezo para que o chão me engula inteiro)
        Perceberam do que estou falando?


   O disco deluxe tem dezenove músicas e essas foram apenas as que mais me conquistaram, as que não tinha como não tirar do replay e passar um segundo sem cantar um pedaço delas (minha amiga Ana - beijo Ana <3 - que o diga, porque passei uma prova inteira cantando isso no ouvido dela). 

  Como o post está chegando ao fim vou deixar vocês livres para ouvirem o álbum e depois comentar o que acharam dele. Ouça o Wild World (Complete Editition) e ouça o Bad Blood - primeiro álbum da banda - no Spotify. Como sempre tem links em todos os nomes de músicas que eu citei.

  Por hoje é tudo o que eu tenho a mostrar. Para se entreterem até o próximo post é so me seguir no InstagramTwitterYouTube e ler a fic no Wattpad ou no Tumblr. Beijocas chuchus!!! x

Finalmente, mais uma RM. Desta vez trago Tom Odell.
E quem seria Tom Odell? Ele é um britânico que faz música desde muito jovem. Aos 21 anos lançou o seu primeiro EP em um contrato com a Columbia Records. E ele tem como suas influências Elton John, Bob Dylan e Leonard Cohen e por conta disso suas letras são cruas e emocionais sendo comparadas com o estilo de Jeff Buckley. E ele não surge do nada, sua carreira na música passa pelo Instituto de Música Moderna de Brighton (Brighton Institute of Modern Music) e acredito que esses estudos lá são um dos vários motivos pelos quais lhe renderam diversos prêmios.

O álbum Wrong Crowd é de junho de 2016 e é classificado, pelo iTunes, como um álbum dos gêneros: alternativo, rock e indie rock. Contendo 15 faixas e nenhum feat, Tom Odell nos apresenta a sua "Turma Errada" (traduzido livremente por mim).

Vamos ao que interessa, ou seja, os destaques desse disco.


  • "Wrong Crowd": essa música tem um quê de rebeldia. Trata de como alguém sempre anda com a turma errada sem saber o porquê e sem poder se impedir de fazer isso. 
  • "Magnetised": é sobre um "amor" impossível. Ele gosta dela, mas ela nem liga para ele. Odell aborda essa relação como uma atração, por isso o nome magnetised (traduzido livremente como magnetisado), como se fosse tudo uma questão de polos opostos, como um imã.
  • "Concrete": tem uma pega bem sexy (na minha opinião). Gosto de como ele enfatiza que não precisa de muito para estar com a sua amada.
  • "Still Getting Used to Being on My Own": tem uma vibe que me lembra blues e jazz. Essa fala sobre a recém separação de um casal, sobre como ele ainda está se acostumando a ficar sozinho e faz de tudo para tentar fingir uma rotina em que não transpareça que agora está sozinho.
  • "Jealousy": no começo, me passou uma ideia de que era uma música sobre dias ruins e meio sobre bad. Na verdade, se trata de uma canção sobre o ciúme. Ele conta como esse sentimento estragou seu dia e o momento que ele vive.
  • "Here I Am": é a música mais dançante de todas. Pela melodia, você pensa que é uma música alegre, mas não é bem assim. Transparece um fim de relacionamento, o qual é impossível resistir a vontade de voltar a ver a/o ex. O que me faz gostar dela é a melodia que é alegre.
Como sempre todas as músicas tem o link e se você clicar aqui vai sair direto no stream do álbum dessa resenha no Spotify. E já que estou me despedindo por hoje, até o próximo post você pode me seguir no Instagram, TwitterYouTube (tem vlog nas Paralímpiadas) e ler minha fanfic no Wattpad e na versão interativa (só você clicar no nome de cada rede). Beijocas!!! :)

Você com toda a certeza está se perguntando: que raios essa menina está fazendo? Volta às aulas no meio de agosto? Pois é, estudar em uma rede federal tem dessas coisas, por exemplo: milhares de greves e o "ano" letivo não é exatamente um ano letivo já que é por semestre.
Minhas aulas começaram na semana retrasada e posso dizer que desde a semana anterior ao início delas, eu já estava me preparando para o tão esperado início (só que não).
Eu pensei que neste post, eu pudesse dar umas dicas sobre como se organizar para esses assuntos escolares.
  1. Faça listas. Antes de me organizar propriamente, eu me organizo antes. Meio irônico, mas é isso mesmo. Faço sempre uma lista de tudo o que tenho que fazer. Geralmente a lista inclui itens como: listar as matérias, fazer um horário baseado nas horas das aulas, certificar-se do início e término do ano ou semestre letivo, listar os materiais que você precisa comprar para começar o ano, organizar mochila, organizar estojo e etc. Acho que depois desse breve exemplo vocês entenderam o que eu estava falando.
  2. Cumpra o planejamento das listas. Antes você fez as listas, porém é hora de cumprir elas. É importante manter o foco para não estragar com tudo de cara.
  3. Organize seus horários. É fundamental você ter uma agenda  com uma espécie de planejamento sobre a sua rotina. É uma excelente maneira de programar os turnos de estudos, ter controle sobre dias livres e as tarefas a serem realizadas.
  4. Tente deixar tudo com a sua cara. No sentido de: personalize tudo. Eu acho super legal quando você diz quem você é e do que gosta através de seus objetos. Eu costumo personalizar a capa dos cadernos e/ou as divisórias do fichário. Isso é uma forma bem sútil de chamar atenção. 
  5. Nunca perca o foco. Sempre tem como sair da rotina e deixar acumular matéria. Isso é mais fácil que estudar a matéria em si. Então mesmo que perca o foco por um dia lembre-se do seu objetivo principal e volte para o caminho da conquista.
  6. Entenda que sacrifícios são ruins mas valem a pena. É muito muito muito triste ter que deixar de fazer algo somente para ficar em casa estudando. Principalmente quando é alguma festa. Porém pense no que gostaria de alcançar e não se preocupe com a necessidade de abrir mão de algumas coisas para ter o que queria.
Eu vou parar no número seis porque a) é meu número favorito e b) eu acredito que vocês mesmos devem criar suas regras ou dicas para ser organizado e prosseguir bem tanto na vida quanto na escola.
Por essa sexta é tudo o que tenho, Até a próxima!! Não precisa morrer de saudades de mim, só se inscrever no meu canal do YouTube bem aqui e me seguir no Instagram no @anmiassis.

Eu sempre deixei claro que escrevo. E sempre disse de um tal projeto que um dia todo iria saber. Então, estou pondo um fim ao mistério. Hoje.

Quero convidar vocês para lerem a minha fanfic, a LiveSOS: The Memories. É uma fanfic sobre a banda 5 Seconds of Summer. Atualmente pode ser lida no Wattpad e num Tumblr que foi criado só para ela.

Para quem está totalmente perdido sobre o que seria uma fanfic, o quadrinho abaixo vai te ajudar.
  • O que é fanfic?
Fanfictionfanfic ou apenas fic é uma narrativa ficcional, escrita e divulgada por fãs em blogs, sites e em outras plataformas pertencentes ao ciberespaço, que parte da apropriação de personagens e enredos provenientes de produtos midiáticos como filmes, séries, quadrinhos, videogames, etc, sem que haja a intenção de ferir os direitos autorais e a obtenção de lucros. Portanto, tem como finalidade a construção de um universo paralelo ao original e também a ampliação do contato dos fãs com as obras que apreciam para limites mais extensos. (Fonte

Agora que vocês já entenderam o que é uma fanfic, fica muito mais simples entender que ela é uma fanfic sobre uma banda (no caso, 5 Seconds of Summer). Então já que vocês estão prontos, acho que vocês podem ler a sinopse da minha fic:
Esta é uma fic para pessoas curiosas.É para quem sempre quis saber o porquê de Luke, Ashton, Michael e Calum cantarem as músicas que cantam. Você precisa ler isto!!! Vai ser uma aventura na memória de cada menino da banda. Você vai descobrir tudo o que Ash não disse, por que Luke queria ter 18, o que Calum gosta em você e quem faz Michael se disconectar. A curiosidade bateu, né? Leia LiveSOS: The Memories, e descubra tudinho.


Então se eu fiz uma sinopse boa, eu acredito que vocês possam querer lê-la. Para fazer isso basta você se decidir sobre o seu modo de leitura.
  •  Interativa: onde você pode fazer parte da estória porque pode escolher (nomear e/ou dar características a) alguns personagens. 
  •  Não interativa: onde você lê a fic da forma como foi escrita pelo(a) autor(a) com todos os personagens já estabelecidos.  
Como já disse antes, ela está publicada em dois lugares: Wattpad e o Tumblr. A forma interativa está no Tumblr e a não interativa no Wattpad. Para ler a fic no Wattpad você deve ter conta. No Tumblr basta você saber o url dele.

Para aumentar o incentivo de leitura, aqui em baixo vou por os links de cada uma das versões:
Não interativa, no Wattpad: clique aqui para ler!
Interativa, no Tumblr: clique aqui para ler!
Por enquanto apenas o prólogo foi postado, mas o primeiro capítulo vem em breve. As atualizações serão bem lentas por motivos de força maior (leia-se 13 matérias na reta final do técnico).

Essa sexta só vai ser isso aqui. Nos vemos numa próximaa!!! Ou se vocês quiserem podem ir no YouTube conferir o meu canal, só clicar aqui para ver o último vídeo. Até mais e beijocas. xx :)



   Deste que os Jonas Brothers (RIP meu fandom) se separam os irmãos Jonas seguiram com suas vidas. Enquanto Kevin virou pai de família e homem de negócios, seus irmãos Joe e Nick continuaram no ramo musical.

   O segundo álbum da nova fase da carreira solo de Nick Jonas tem um título curioso e, porque não, totalmente identificável. Last Year Was Complicated é traduzindo, livremente, como: ano passado foi complicado. Realmente deve ter sido muito complicado na vida desse Jonas, pois renderam muitas músicas ótimas para o disco. Tal disco que foi lançado antecipadamente no Tidal, que é a plataforma de streaming de música do Jay-Z em parceria com demais artistas do ramo.

   Tanto no iTunes quanto no Tidal o cd possui duas versões a clean e a explicit, eu sempre prefiro os álbuns no explicit e sobre esse álbum que vou resenhar no post de hoje.

   Foi lançado em junho desse ano (2016) e na iTunes Store da Nova Zelândia existe a versão deluxe com o total de 18 músicas, sendo 6 delas faixas bônus e incluindo 4 feats.
   Desde o primeiro sneak peak na música Close, Nick deixou bem claro que seria um disco com uma grande abordagem de ritmos e de letras diferentes. Já fazia um tempo que ele mostrava letras mais amadurecidas em suas músicas, vide o álbum que antecede este (o Nick Jonas - tem o mesmo nome do cantor).

   As músicas que eu destacaria são:
  • Close (feat. Tove Lo): esse música foi a primeira indicação de que esse disco estava saindo. A letra de autoria da Tove Lo. que também é o feat da mesma. É bastante forte com uma melodia bem interessante. O vídeo dessa música é bem legal e até trouxe uns rumores de que os cantores poderiam ter tido um affair (que foi negado pelos dois, mas eu não duvido que eles se pegaram). Vejam o clipe no vídeo abaixo.
  • Touch: posso afirmar que essa é a letra que mais me surpreendeu. Não tem nada nenhum palavrão ou coisa do tipo, mas eu acho que a forma como ele insinua as coisas é muito maior do que se ele tivesse dito. A melodia também é marcante, tem um frescor que remete a um dia ensolarado de verão.
  • Bacon (feat. Ty Dolla $ign): essa com certeza é música que me fez arregalar os olhos com o seu título. A primeira coisa que pensei foi "ele tá de brincadeira comigo? Uma música sobre Bacon? Ele não tá bem!!" Mas não se tratava de nada disso, segundo o próprio Jonas em questão a música é sobre os melhores momentos da vida e tudo o que você tem que fazer para melhorar eles é adicionar um pouco de bacon. Eu ainda não entendo muito essa coisa que os estadunidenses tem com o bacon, mas aceito isso. Vale comentar o vídeo também, nele é possível ver um dos amigos de Nick e ex componente do elenco da extinta série Glee, o Chord Overstreet que aparece em uma das mesas do cenário (é o vídeo abaixo).
  • Good Girls (feat. Big Sean): adoro a letra dessa música, é bem reflexiva sobre as "meninas" de atualmente. Questiona sobre onde as boas meninas foram, sobre o quanto a sociedade/os homens obrigam elas a seguirem padrões.
  • Don't Make Me Choose: acho que é uma das letras mais profundas, na minha opinião. Fala sobre não ser julgado, não fazer as pessoas escolherem entre as áreas de sua vida e sim a aceitar elas como são em todos os aspectos.
  • That's What They All Say (Bonus Track): essa é uma das minhas músicas favoritas. Não tem uma letra incrível, mas a vibe dela é muito boa. Acho bem para cima e feliz.
   Poderia ficar aqui nesse post comentando muito mais sobre o disco, poderia dizer que o clipe da música Under You tem a participação da maravilhosa Shay Mitchell (que está no elenco da série maravilhosa - Pretty Little Liars), poderia dizer que das seis músicas bônus três são os hits velhos do cd anterior (Levels, Jealous, Chains). Tirando tudo isso, o saldo desse disco é positivo. Todas as músicas são de uma qualidade alta e com melodias super boas e, na maioria das vezes, dançantes.
   Por essa sexta é só!!! Até a próxima!! Não se esqueçam que tem os links de cada música em seus nomes e se você clicar aqui, pode ouvir o stream do álbum, no Spotify. Tem o meu Instagram e o meu canal no YouTube para me stalkiar. Beijocas!!! xx

   Oi genteee!! Eu já tinha comentado, por alto, no fim do meu último post (leia ele aqui) que virei vlogger/youtuber. Como eu disse no meu primeiro vídeo não sei exatamente o que estou fazendo na internet, principalmente nesse lance de YouTube.

   Esse post é para convidar todos vocês a se inscreverem, compartilharem e curtirem (o famoso "dá um joinha") nos vídeos do canal. Esse é o primeiro vídeo do canal que por enquanto (ou não) tem o meu nome: Anmi Assis.


   Eu só vim fazer propaganda do vlog mesmo!!! Nos vemos em uma nova sexta-feira com mais um post aqui. Beijocas e não se esqueçam de me stalkiar no YouTube.

   Eu juro que tentei me segurar para não fazer uma RM tão cedo, mas não consegui. A verdade é que desde que o primeiro trailer desse filme saiu que eu vinha me perguntando: o quão incrível a trilha sonora poderia ser?
   Okay, com certeza estou indo rápido demais e para quem ainda está meio perdido (duvido muito maaaassss sempre tem aquele ser humano mais devagar), estou falando sobre a trilha sonora do filme, que provavelmente foi o mais aguardado por mim pelo menos, Esquadrão Suicida ou como eu prefiro Suicide Squad (sei que os nomes no final dão no mesmo, porém algo no nome do filme em inglês me conforta).
   Como eu ia dizendo, desde o primeiro trailer a soundtrack me prendeu por completo. Bohemian Rhapsody não estava na voz do Freddie Mercury e apenas esse fato já me intrigava muito. Depois foram surgindo mais músicas conforme o filme foi tomando forma e mais teasers foram lançados. Em poucos minutos, eu já podia afirmar: estava sedenta pelas músicas que estariam ligadas ao filme. 
   Vamos ao que interessa de fato: o álbum. 
   Esse álbum reúne muitos artistas divosos da música. Com 14 músicas especialmente pensadas para o novo filme desse universo da DC Comics.
   Vamos destaques:
  • Sucker For Pain (with Logic, Ty Dolla $ign & X Ambassadors) - Lil Wayne, Wiz Khalifa & Imagine Dragons: essa é a música que toca nos créditos. Eu sinceramente acho que esse é um feat bem diferente, e muito completo. Acredito que o fato de ter muitos elementos de diversos gêneros musicais que aparentemente não combinam é um bônus. Outro bônus é a letra que foi super bem preparada para o filme, já que comenta de situações de abusos e no refrão é bem nítido que temos uma "queda por dor" (no sentido de que esse é o nosso ponto fraco e que tecnicamente gostamos disso).
  • Gangsta - Kehlani: essa música faz uma vibes tão forte da Arlequina. É totalmente dela essa música. A Kehlani virou minha conhecida quando fez um feat com o ZAYN (na música wRoNg, clique aqui para ler a resenha que fiz sobre) no primeiro álbum dele. Acredito que ela tem muito talento e potencial. Quero ver mais dela em breve.
  • You Don't Own Me (feat. G-Eazy) - Grace: essa é bem curiosa. Não foi feita para o filme, na verdade, ela é mais uma música de trabalho da cantora. Com certeza parabenizo a escolha dela para compor a trilha sonora do filme, pois essa música tem muito a cara dele. Sem contar que é mais uma para se juntar a visão de Arlequina do filme. 
  • Heathens - twenty one pilots: este é mais um exemplo de exclusividade para o filme. Twenty one pilots de uns tempos para cá simplesmente explodiu. Gostava muito deles e suas letras na época do seu primeiro álbum o Vessel, mas essa música é bem sólida e compõe bem a vibe do filme.
  • Without Me - Eminem: essa música tem 7 anos. 7 ANOS!!! Adoro como os produtores musicais resgatam coisas tão boas do passado. Eminem mais uma vez provando seu talento porque ele foi totalmente resgatado do túnel do tempo para fazer parte desse disco maravilhoso.
  • Bohemian Rhapsody - Panic! At The Disco: uma super surpresa agradável. Quando ouvi a primeira vez essa versão no primeiro trailer do filme, logo me chamou a atenção. Perguntei-me por muito tempo quem era voz até descobri que ela pertencia a essa banda mais que boa. 
  • I Started A Joke (feat. Becky Hanson) - ConfidentialMX: primeiramente essa música é um remake ou como prefiro dizer cover de uma música do Bee Gees. ConfidentialMX fez um trabalho perfeito na desconstrução da música, por um breve segundo eu nem a reconheci, mas no fundo bateu aquela coisinha chamada reconhecimento. Becky Hanson tem uma voz que combinou muito com a nova versão da música e sem dúvidas eu amei essa tanto quanto a original.
   Então esse foi mais um post para o blog. Já contei que virei Vlogger? Caso queiram saber mais é só clicar bem aqui e assistir o vídeo de mim pagando mico no YouTube. Ah, e tem links para todas as músicas e se você clicar aqui vai curtir o stream de Suicide Squad: The Album no Spotify. Por essa sexta é só e aproveitem o final de semana. Beijocas povooo!!! xx

   Desta vez Literaturando traz um livro que li por completo. A leitura dele foi tão rápida que não deu tempo para planejar nada para postar. Como não posso falar muito sobre o livro (porque já li e acabarei dando spoiler), vou passar logo para as informações dele.  
   Este é o terceiro livro da série Os Imortais (tem link para a ficha do Skoob da série bem no nome dela, só clicar) da autora estadunidense Alyson Noël. A série completa tem seis livros. A minha história com Os Imortais é bem inusitada. Eu peguei o primeiro livro da série (Para Sempre) na biblioteca da escola onde minha mãe trabalha há uns dois ou três anos atrás. Eram as minhas férias de meio do ano e devorei o livro bem rápido. Depois de ter adorado o primeiro, descobri que tinham mais livros. Procurei por todos, mas não pude encontrá-los para comprar tão rapidamente. Assim que pude, comprei o segundo e comecei a ler. E sobre o segundo livro-  

   INTERROMPEMOS ESTA POSTAGEM PARA UM INFORME URGENTE. SE VOCÊ TEM UM PROBLEMA COM SPOILERS EU QUERO TE AVISAR QUE A PARTIR DESSE TRECHO VOCÊ PODE ESBARRAR COM UM. LEIA POR SUA CONTA E RISCO!!! SE EU PERCEBER SPOILERS VOU TENTAR ESCREVER SPOILER BEM GRANDE, ENTRE TRAÇOS E EM VERMELHO, SÓ PARA ALERTAR VOCÊS!!! 

   Voltando ao que ia dizendo; no segundo livro (Lua Azul) não rola muita coisa entre o casal principal (Damen e Ever). Não rola nada porque o vilão "boladão" (não é tão boladão assim, a personagem principal - Ever - que é muito perdida) impede que eles mantenham o romance. Maior parte do livro é chato em relação ao primeiro, mas ele (não sei como) consegue terminar de um modo mais interessante. Sinceramente, achei que a continuação de Para Sempre fosse ser mais comum, algo que desse só uma ideia de como o "final feliz" de Ever e Damen seria, porém nada disso aconteceu. O que ganhei foi uma estória nova que deveria ser eletrizante (ainda usam essa palavra???) só que no final não me deixou empolgada como deveria. - SPOILER - Ever e Damen terminam juntos depois de tudo que o Roman (o tal vilão boladão) fez para separá-los. Contudo, o casal não contava com a esperteza dele e após um ritual que Ever e Roman fizeram para salvar a vida de Damen (ah, quase me esqueci que nessa série tem assuntos relacionados com reencarnação, wicca, imortalidade, mediunidade, e outras coisas esotéricas. E a vida de Damen foi ameaçada pelo próprio Roman. Sim, eu também acho que Ever foi burra o bastante para pedir ajuda do vilão.). O ritual deu certo, porque salvou a vida imortal (sei que não faz sentido, mas HEY!, a autora não fui eu) de Damen MAS ele não deu tão certo assim pois Roman fez com que Ever caísse em mais um de seus planos e no fim de tudo, eles podem ficar juntos só que se Ever e Damen trocarem em qualquer momento e mesmo que por acaso um pouco de DNA o Damen morre. Ele vira pó. É sob essa perspectiva que o SEGUNDO (são seis livros ao total) livro termina. 

   Aí você pensa: WOW, SUPER INCRÍVEL. AIMEUDEUS, SE ESSE LIVRO TERMINA ASSIM O TERCEIRO DEVE SER MUITO EMOCIONANTE. 
   E eu te digo: NÃO, NÃO É. 

Enfim, agora as informações e aos comentários do terceiro livro: Terra de Sombras.

Título: Terra de Sombras
Autora: Alyson Noël
Tradutora: Flávia Souto Maior
Editora: Intrínseca
Páginas: 269
ISBN: 978-85-8057-340-4
Sinopse: Ever e Damen atravessaram diversas vidas e enfrentaram os mais terríveis inimigos com um só objetivo: ficar eternamente juntos. E quanto esse sonho está ao alcance das mãos, um poderoso feitiço cai sobre Damen. Agora, para ele, simplesmente tocá-la ou encostar os lábios nos dela significaria a morte, o exílio definitivo em uma terra de sombras.Desesperada por livrá-lo da maldição, Ever mergulha de corpo e alma na magia e encontra uma ajuda inesperada: um surfista chamado Jude. Apesar da profunta lealdade a Damen, é inevitável que ela se sinta atraída por esse garoto estranhamente familiar, de olhos verdes, dons mágicos e passado misterioso. Ever sempre acreditou que Damen fosse seu destinho — mas e se o futuro tiver reservado outros planos? Com Jude cada vez próximo, pela primeira vez em séculos esse amor é posto à prova.

Resenha - SPOILER -:
   É necessário que você tenha lido os livros anteriores a este para entender tudinho que rola, já que é uma série e tal.
   A minha sensação é de que o livro é como um episódio de série. Aquele tipo de episódio conhecido como filler, que é um episódio em que nada de incrível acontece mas que está lá bem no meio da temporada para encher linguiça. Pois é, esse livro é bem essa vibe mesmo. É claro que ele tem uns acontecimentos legais, porém, na minha opinião, teve só dois pontos altos. 
   A primeira coisa que eu destacaria é formação de um triângulo amoroso. Aparece alguém para competir com Damen. O seu rival se chama Jude e como esperado ambos vem competindo pelo amor de Ever desde a primeira vida passada de todo mundo. Fica mais emocionante porque o casal Daver (criei um shipname para eles dois) passa a enfrentar maiores problemas do que o simples fato de não poderem se tocar.
   O segundo momento que destaco é a transformação de Haven, a melhor amiga da Ever, em imortal. No livro tem umas reviravoltas loucas lá, que no final de tudo ainda sobra para a melhor amiga da personagem principal. É duro ser personagem de livro, minha gente!!! (Olha eu falando como se soubesse o que eles passam...)
   Além disso Roman está mais influente na vida de Ever, mas não porque ele está atacando novamente o casal supremo da série, mas sim porque a mocinha (acho que não a chamaria assim, se ela tivesse uma escolha) procurou por isso. Ela fez feitiço para conseguir o que queria (o antídoto para voltar a poder tocar seu namorado), contudo ela fez umas coisas erradas, de uma maneira que o feitiço literalmente virou contra a feiticeira. 
   No final de tudo, analisando o que acontece nesse livro eu fico realmente com a sensação de um livro sem muito propósito de existir. Roman não entrega o antídoto para Ever, a melhor amiga dela vira imortal, aparece alguém para concorrer com Damen, personagens secundários começam a ganhar espaço no enredo, o casal termina junto mas ainda tem o mesmo problema. Eu sinto que foi como se a autora tivesse criado mais coisas para retardar a solução do real problema. Apesar dos pesares, é totalmente compreensível que as coisas sejam desta forma. Afinal são seis livros e foi a forma como Alyson Noël encontrou de estender a estória como um todo. Eu mesma só entendo o porquê de ter sido dessa forma, agora que já estou na metade do quinto livro com novos dilemas para acompanhar nas páginas do novo livro.

   Por essa sexta é só. Até a próxima. Não se esqueçam de acompanhar as Semanas Temáticas no Instagram do blog (@sinceranmi)! Beijocas x

   Pessoal, ainda nem acredito que depois de 10 longos anos veio a continuação de Procurando Nemo (ou Finding Nemo, em inglês mesmo). Minha criança interior ficou mais que feliz quando soube que estavam fazendo esse novo filme. É óbvio que Procurando Dory não é nem de perto a continuação de Nemo, mas ainda é algo que nos remete aquele universo do fundo do mar.
   Nesse filme, Dory é o centro das atenções e todo o filme é centrado na busca dela pelas suas origens. Digamos que você pode esperar por muitas trapalhadas causadas pela própria Dory e o seu pequeno grande problema de memória. 
   Okay, esse não é um post para resenhar o filme, certo? Certo. Recomendo ele do mesmo jeito. Muito sério. Vão assistir Procurando Dory! Agora esse post é para comentar a soundtrack do filme e vamos a isso.
   Toda a soundtrack é composta de 34 faixas, sendo apenas uma delas cantada. Todas 33 são apenas instrumentais para o fundo das cenas do filme. A única faixa cantada é a que realmente posso opinar, já que música de plano de fundo só faz muita muita muita diferença quando vemos um filme de terror, né? Talvez alguém perceba isso melhor, mas eu ainda não consigo perceber tudo isso. 
   Ainda bem que Thomas Newman não sabe nem quem sou eu. E para me redimir com ele eu vou destacar umas soundtracks que Newman participou e/ou produziu. Ele é responsável pela OST de Procurando Nemo que foi lançado em 2003 e ganhou vários prêmios por seu trabalho, e também comandou a trilha sonora do filme Wall-e , lançado em 2008. Ele é muito muito bom, mas é como eu disse, não tem como eu resenhar música instrumental.
   Assisti o filme com a minha melhor amiga Leticia nessa semana. Sim, foi quase que a minha última chance de ver o filme. Foi um dia bem legal, e é como eu disse, o filme é incrível e o fundo musical também.
   Nesta trilha sonora oficialmente só tem um música cantada. A música se chama "Unforgettable" e é interpretada pela Sia. Durante os créditos é essa música que toca enquanto nós esperamos pela cena pós-créditos do filme. Sia performa essa adorável música a pedido de Ellen DeGeneres que é sua amiga e apresentadora de um talkshow muito maneiro nos EUA. Para quem não sabe Ellen é a dubladora de Dory na versão original do longa. Acontece que "Unforgettable" na voz de Sia é um cover. Um incrível cover, vamos combinar. (Sem contar que a escolha da música foi certeira, já que "unforgettable"  em português é inesquecível. Ou seja, exatamente o que a Dory e toda coisa do Nemo são.) O cantor original dessa música é Nat "King" Cole.
   Alías no longa-metragem é creditada mais uma música, que não está inclusa na trilha sonora. Em uma das cenas, a música "What a Wonderful World" de Louis Armstrong toca por uns breves segundos.
   Ambas as músicas são lindas e totalmente clássicas. Eu sou super suspeita em falar algo sobre esses artistas porque eu adoro coisas antigas e música antiga é o melhor tipo de vintage que se pode existir.
   Sugiro a todos vocês que assistam a misteriosa Sia em sua apresentação no The Ellen Show em que ela canta "Unforgettable" (é o vídeo abaixo).

Adorei tanto essa música com a voz dela que 
  eu seriamente ouviria em qualquer momento.  

   Então para ajudar vocês, aqui seguem os links das músicas citadas ao longo do post:
   Por essa sexta é tudo. Ah, um link bem aqui para página da Wikipédia do Thomas Newman, só para o caso de vocês quererem saber mais sobre ele. Chuchus, volto na próxima semana com mais um post!!! Beijocas. x


Diariamente construimos nossa imagem ao acordar para um novo dia. Diariamente seguimos nossos rituais de enfeitamento para vivenciar as experiências que nos aguardam porta fora de nosso conforto. Diariamente travamos uma luta com nosso interior para saber qual de nossos lados nos comandará pelas próximas horas,  seremos bem ou seremos mau? Diariamente escolhemos sem nos dar conta sobre as futuras consequências de nossas escolhas, mas o excesso de pão com manteiga hoje será o motivo para um infarto do miocárdio amanhã. Diariamente exercemos o poder de juiz que cada um tem: condenamos nossas ações, prendemos nossos desejos e soltamos nossa imaginação. Diariamente tudo morre e nasce diante dos nossos olhos porém estamos tão ocupados vendados pelo nosso egoísmo que não nos damos conta de que há vida fora de nossos planetas. Diariamente lidamos com as negações,  sempre dizemos não mas ao menor  sinal de que iremos ouví-lo tapamos os ouvidos. Diariamente absorvemos tanto de tudo que quando o essencial aparece e precisa ser ingerido já não temos espaço para mais nada. Diariamente colocamos máscaras certos de que é momentâneo contudo apenas no final do fim da última hora do dia a tiramos e vemos que nunca fomos nós mesmos durante aquelas 24 horas. Diariamente tão pouco da disgraça nos atinge ao passo que nos tornamos insensível a  ela. Diariamente nada nos surpreende porque tudo ocorre tão rápido. Diariamente nós partimos corações na tentativa de vingar nosso coração despedaçado. Diariamente como em um círculo viscioso repetimos nossas ações com a promessa de que em um outro momento vamos mudar, mudar para melhor é claro. Diariamente, constantemente, frequentemente, rotineiramente. Podemos trocar o adjetivo mas isso nunca mudará quem nós somos quando a luz se apaga. Diariamente nos deitamos em busca de um sonho para esquecer nossos pesadelos.

Olha quem está de volta!!! Sim, eu mesma.

Não sei como resisti a esse hiatus. Mentira, sei sim. Tinha só milhões de provas em outras milhares de matérias. Porém, voltei e voltei para ficar. Sério mesmo.

Vamos ao que é bom e interessa. A blogueira aqui está de férias. Ouvi um aleluia?!? E dessa vez super vou aproveitar as férias. E pretendo dividir com vocês todas as aventuras. Acompanhem no meu insta (@anmiassis), no insta do blog (@sinceranmi) e no Snapchat (anmiassis).

Por falar em insta, eu surgi com uma ideia super maravilhosa. No Instagram do blog vão rolar semanas temáticas!!! Yay!!  Já preparei tudinho aqui para essas semanas serem incríveis por lá. Eu literalmente virei a loca das listas nesse aspecto. A semana começa hoje às 19:00 horas. Já vou inaugurar com a Semana das Estantes. Tem cada foto incrível!!  Por isso não deixem de seguir o @sinceranmi no insta, vai ser lindooo!!!

Mais uma novidade. Para quem não sabe além de super ocupada e blogueira em ascensão, eu nas horas vagas, quando não vejo série, escrevo. E finalmente tomei coragem para publicar a minha fanfic. Então em muito breve (MUITO EM BREVE MESMO) ela deve sair em alguns lugares como Wattpad e Tumblr específico. Podem deixar que aviso tudo quando for a hora.

Por hoje é só e agora voltarei com mais frequência. Até a próxima!!! x


Gostaria de anunciar um breve hiato no blog. Será breve mesmo, prometo!

Ele vai durar o suficiente para o meu periodo terminar em paz.

Já entrei em fim de periodo no técnico e está tudo uma loucura, logo não tenho mais como fazer posts frequentemente e nem como postar eles.

Ainda não sei ao certo quando voltamos, mas nós voltaremos o mais rápido possível.

O Instagram do blog não ficará desativado, durante esse período. Sigam @sinceranmi e vejam tudo o que está rolando lá.

É isso por hoje e alguns dias. Beijocas chuchus!! x

   Minha primeira "semi-resenha" é o livro "Dispa-me!: O que nossa roupa diz sobre nós" das autoras Catherine Joubert e Sarah Stern publicado pela editora Zahar. Comecei a lê-lo tem umas três semanas, mas por conta das minhas tarefas escolares a leitura está meio passo de tartaruga. 
Ambas autoras são psiquiatras e psicanalistas que trabalham com jovens, adultos, crianças e adolescentes, em Paris, França.
  Este é um dos livros que comprei na última visita do Projeto Mais Leitura na minha escola. Vocês podem ler mais sobre essa vista aqui.
   Tudo o que estiver escrito abaixo disso são alguns dados do livro para que vocês.
Título: Dispa-me!: O que nossa roupa diz sobre nós
Autor(es): Catherine Joubert e Sarah Stern
Tradutor(es): André Telles
Editora: Zahr
Páginas: 157
ISBN: 978-85-378-0032-4
Sinopse:
   Este é um livro sobre timidez, invejam rivalidade, desejo, auto-afirmação, saudade, amor, sedução, pertencimento, feminilidade, traição, renascimento, compulsão, ousadia... Este é um livro sobre roupas.
  Por trás da ideia de "futilidade" a que costumam ser associadas, as roupas dizem muito sobre nós - ainda que por vezes não tenhamos consciência disso. O que sinalizamos se usamos sempre uma mesma calça ou, ao contrário, compramos peças novas compulsivamente? Se guardamos com cuidado as vestes daqueles que nos deixam? Se colecionamos lingeries ou nos vestimos apenas de preto? Todos esses comportamentos indicam relações diferentes com as roupas, em que a história pessoal prevalece.
   A roupa, essa "segunda pele", pertence ao mesmo tempo ao dentro e ao fora de nós. Contém em suas fibras as memórias dos primeiros cuidados maternos, da aceitação ou exclusão na escola. Exprime, à sua maneira, nossos sonhos e esperanças, refletindo a construção de nossa identidade.
   É esse vínculo que Dispa-me! explora. Com o cuidado de não generalizar, as autoras apresentam breves histórias, que são em seguida interpretadas com um olhar psicanalítico. Uma abordagem séria mas descontraída, que nos permite saber um pouco mais sobre o que nossas roupas - e, paralelamente, sobre nós mesmo.
♤♡♢♧
Resenha:
   Assim que comecei a ler este livro, percebi que ele seria diferente do que eu esperava. Sabe quando você lê a sinopse e pensa que vai ser de um jeito e quando pega o livro vê que não é? Foi isso que aconteceu.
  Achei que seria com uma estória como nos romances e que se não fosse assim ele abordaria os como as roupas influenciam nossa vida e que ainda daria umas dicas de moda, tipo esses programas de TV fechada. Contudo, estava super enganada.
   O fato do livro ter sido escrito por duas psicanalistas faz muita diferença, pois elas elevam o nível dele. O livro trás em cada capítulo uma crônica diferente. Nas crônicas estórias são contadas e sempre tem uma ligação com roupas, sejam elas roupas intimas, vestidos, saias, ou até mesmo o comprimento delas, estilo, dentre outros aspectos que compõem uma roupa. Após a crônica, elas a interpretam e explicam como a roupa é vista naquela estória contada. Há correlacionamento com cultura, pensamentos, projeção de nós mesmos nos outros, projeção da imagem dos outros em nós mesmos e muito mais.
   Sinto que a visão delas é boa e, até onde li, me fez e faz pensar em coisas que não havia imaginado. Alguns dos pensamentos que elas descrevem são muito bons porque, realmente, te fazem pensar no que você transmite quando se veste.
   Por um lado, eu realmente senti falta de uma estória "normal", sabe? Daquelas com mocinhos, donzelas, uma trama interessante com ou sem final feliz. Entretanto, gosto de sentir que cada capítulo é independente do outro, como sempre tem algo novo para descobrir e aprender.
   Bom, como só tem uns vinte capítulos nesse livro (contei com a introdução) e  ainda estou no sétimo, tem bastante coisa para eu ler e apreciar.
♤♡♢♧ 

   Por esta sexta-feira foi só (tudo) isso. Prometo tentar melhorar nessa coisa de resenha/semi-resenha.    Próxima sexta tem mais!!! Não se esqueçam do Instagram do blog, vai e fique de olho.
   BEIJOCAS, CHUCHUS!!! x


Quem mais quer estantes lotadas como essas?
   Pessoal, por falta de tempo para realmente escrever uma resenha sobre livros decente, eu decidi que o Literaturando será uma área para compartilhamento da minha leitura atual.
   Pensando nisso, já vim aqui garantir que essa é a única forma que tenho de controlar os spoilers. A minha relação com eles é boa porque gosto deles. Isso vem da minha curiosidade em querer saber logo como vai ser o final. Pelo fato d'eu não me importar com eles acabo soltando spoilers para todo mundo. Eu sei, eu sei... minha culpa! 
   Por isso, achei melhor falar sobre o começo da minha leitura, afinal não terei lido o suficiente para sair contando tudo o que tem no livro porque ainda vou ler bastante dele para poder contar... então, né? 
   Tem muito tempo que eu criei o Literaturando. A verdade é que ele seria a coluna sobre livros do blog, porém é muito complicado escrever uma resenha e como já disse antes, eu tenho um problema com spoilers. Já foram feitos posts sob essa marcação (clique aqui e aqui para lê-los), mas eles não eram sobre minhas leituras. 
   A minha ideia para a nova cara do Literaturando é: escrever sobre as minhas expectativas sobre o livro assim que começar a lê-lo. Dependendo de como eu me sair nesse projeto de resenha, eu até penso na chance de escrever uma nova quando eu já tiver terminado o livro. Quem sabe, né? 
   Ah, mas será sempre assim, porque tem aquele filme que lançou que tem um livro, vai falar sobre ele? Não. Literaturando é um espaço para falar sobre livros e todo esse universo. Tudo bem que livros se tornam filmes, só que não é esse o objetivo desse espaço aqui no blog. Falarei dos livros e não dos filmes que esses livros se tornaram. Se algum livro que eu li tenha filme e eu já tiver visto ele pode ser que eu comente, mas realmente essa não é a finalidade desse cantinho aqui.
   Então é isso por essa sexta, amores!!! Queria muito dividir essa pequena reforma que Literaturando sofreu. Abracem a novidade. Até o próximo post. xx



Zayn Malik parece que não consegue ficar longe do centro das atenções. Na minha cabeça (que às vezes não tem a menor noção cronológica da vida) não tem muito tempo que ele criou um alvoroço com sua saída da maior boyband do século XXI (não vem ao mérito se sou fã ou não, mas os números concordam com o que eu disse), o One Direction. Zayn é de longe o meu favorito na época do 1D, e eu, realmente, achei que pudesse não me importar com o fato dele ter deixado a banda. E eu realmente não me importo, apesar de notar a falta dos vocais dele no álbum mais recente dos meninos.
No meio de toda a confusão e choque que a saída do Malik causou, parece-me que ele arrumou tempo para gravar um disco inteiro. Com direito a deluxe e tudo.
Zayn sempre deixou claro que não era como os outros meninos. Quero dizer, ele tem todo um histórico de atitudes "diferentonas" desde o começo do começo da banda no X-Factor. Afinal, Zayn doou muito de si para compor o One Direction e nada mais normal que esse cd novo dele se chamar "Mind of Mine" (Mente Minha, em tradução livre). Tudo o que ele faz é música de alta qualidade com muita influência de todos os seus estilos favoritos. Então, vamos ao que interessa?
 A tracklist é feita de 18 faixas e apenas um feat. É caracterizado como um álbum pop e foi lançado em março de 2016. Conta com uma intro e, ao meu ver, uma segunda "intro" que divide o disco em dois momentos de música.
E ineditamente no Resenha Musical, eu comentarei todas as faixas do álbum. Isso, provavelmente, deixa bem óbvio que ele fez um trabalho tão bem feito que não houve como decidir favoritas.

  • MiNd Of MiNdd (Intro): é bem inusitada, não esperava por essa introdução, mas ela é totalmente necessária. Ela agrega valor a todo o álbum e isso é fundamental para que a gente possa entender todo o conceito dele, e como o próprio cd diz, entender a mente de ZAYN.
  • PILLOWTALK: foi o primeiro single. A música caiu como uma bomba e assim como o vídeo (clique aqui para ver) da mesma. A revelação de uma música cheia de significados adultos e com um som bem diferente de tudo o que ele já havia cantado. Confesso que não gostei da música de cara, mas aos poucos ela me pegou e quando vi já cantava a mesma até durante os banhos.
  • iT's YoU: gosto de como o refrão é surpreendente. Ele revela uma cara mais mistica, com uma cara de filme que tem uma mistura de suspense e terror. É como se ele cantasse o mix de sentimentos escuros que beiram a escolha de sua amada.
  • BeFoUr: acho que é uma indireta ao One Direction. Ele diz muitas vezes que "já fiz isso antes, mas não desse jeito", o que me leva a pensar no rumo que sua carreira tomou e em como ele já não tem mais paciência para pessoas que não sejam diretas com ele. 
  • sHe: adoro como ele canta sobre essa menina, sobre como ele a descreve como algo incrível e sobre como as necessidades dela são. A música é bem fácil de grudar.
  • dRuNk: ele quebra bem o ritmo com essa música. É simples e você pode perceber que ele canta sobre as festas que ele esteve e como a presença de sua amada (seja ela quem for) o ajuda e completa toda a experiência. Ao mesmo tempo em que ele pode não se referir as festas e, na verdade, pode estar falando em ficar bêbado durante todo o verão no amor em que ele e o seu par romântico compartilham.
  • INTERMISSION: fLoWer: é bem diferente das músicas anteriores. Ele canta em uma outra língua e em um ritmo característico dos países arábicos (arriscaria mulçumanos, mas não tenho tanto conhecimento na religião dele assim para chutar isso). Confesso que não parei para procurar a tradução da música até esse momento e posso dizer que descobri umas coisinhas, como por exemplo: a música está em Urdu e essa é a língua nativa do pai do Zayn. 
  • rEaR vIeW: é uma música que me faz pensar. É sobre você querer estar com alguém, mas a pessoa não está emocionalmente pronta para um novo relacionamento. Gosto dela mais ainda, porque me identifico com esse tema.
  • wRoNg (feat. Kehlani): esse é o único feat do álbum. Gosto muito da vibe rapper que a música tem e acho bem a cara dele uma letra que deixa bem claro como ele não é o cara certo para ter um relacionamento concreto. E definitivamente a voz feminina completa toda a ideia de um jogo entre duas pessoas.
  • fOoL fOr YoU: lembra-me muito as músicas do One Direction, mas nesse caso acho que é a forma dele mostrar seu lado romântico que, pode sim, ter um quê de boyband, porquê não?
  • BoRdErZ: sobre se entregar a um sentimento, sobre pular de cabeça em algo, mas ao mesmo tempo, é sobre tudo isso ser algo traiçoeiro e perigoso.
  • tRuTh: a música fala sobre como a verdade se revela sem que nós precisemos insistir em nossa inocência.
  • lUcOzAdE: a letra é aparentemente desconexa. Por curiosidade, pesquisei o que lucozade é e durante a pesquisa descobri que é uma bebida energética. Só que pelo o que a letra diz, eu imaginei que ele tivesse misturado a bebida com algo álcoolico (o que é prática comum da vida noturna). No meio de tanta coisa sem o menor sentido, você encontra uma batida bem interessante e até umas frases boas.
  • TiO: antes de saber que as músicas seriam nomeadas dessa forma, eu sinceramente pensei que esta tinha o nome de tio. A minha primeira reação foi pensar: "Que raios um tio teria a ver com tudo?". Mas, na verdade, é uma sigla para "take it off", que significa, na música, que ele quer ver a mulher com que ele está por completo, toda a sua pessoa interior e exterior, incluindo os seus segredos.
  • BLUE: a partir dessa música, todas as que a seguirem são faixas bônus. BLUE é bem simples e eu até me arrisco em dizer que me lembra algo puro. ZAYN mantem a voz solene e simples, bem tranquila enquanto canta sobre anjos e um amor difícil.
  • BRIGHT: é uma resposta a toda melancolia de BLUE (que é tida como uma cor que representa a tristeza, isso para outros países). Fala de como é importante encontrar a luz de um novo amor e como isso é encantador.
  • LIKE I WOULD: recentemente, o seu clipe foi lançado, e foi bem interessante todo o conceito futurista dele. O que gosto mesmo dessa música, é de como ZAYN vai mostrando aos poucos (e aí de uma vez por todas) que ninguém se compara a ele.
  • SHE DON'T LOVE ME: é a última música do disco. Ele definitivamente mostra que está afim dela, mas que os seus sentimentos não são retribuídos. E no meio de todo o sentimento dele por ela e no meio de toda a falta de sentimento dela por ele, ambos ainda conseguem manter algum tipo de contato, mesmo que esse contato seja puramente físico e sexual.
Ufa... Essa resenha foi super trabalhosa. Está repleta de links e como o hábito tem um stream do álbum no Spotify e YouTube (só clicar nos respectivos nomes para ouvir). Não sei quando vocês verão uma resenha musical tão cedo. Tentarei equilibrar tudo por esses lados.
Por hoje é só. Não se esqueçam de seguir o Instagram do blog no @sinceranmi. Fiquem ligados para o próximo post. Beijocas, chuchus. xx





Chuchus sintam o cheiro de novidade comigo!!!

O título do post deve ser bem autoexplicativo, não?

Tem um tempinho que eu criei o instagram para o blog, mas ainda não tinha oficialmente anunciado para vocês ele. Então, aqui está ele!!!



O usuário dele é @sinceranmi (clique no nome para ver). Conto com a ajuda de vocês para popularizarem ele. Ah, eu sempre vou postar coisas legais nele, como meus livros, frases legais, alertas de post novo, entre outros.
Vocês podem se perguntar: "Anmi, e você? Onde te encontramos?" Quanto a isso, não se preocupem, pois tenho instagram pessoal: o @anmiassis (só clicar para ver). 

Até a sexta-feira que vem!!! xx